Imagem capa - Aluna do LAC ministra oficina de iluminação por LAC
ProjetosLAC

Aluna do LAC ministra oficina de iluminação

Por Pamela Santos


No dia 22 de abril de 2019, foi-me concedida a oportunidade de mediar o evento “Roda de Conversa e Experimentação em Iluminação Fotográfica”, encontro destinado a mulheres do audiovisual.

 A ideia principal do evento era disponibilizar um tempo no espaço do LAC, seus equipamentos e uma mediadora com o objetivo de possibilitar às participantes uma aproximação, de forma livre e prática, de técnicas de iluminação de Fotografia e Vídeo.

 Na primeira parte do encontro, aconteceu a roda de conversa com as dez mulheres participantes. Sentadas, compartilhamos experiências, processos, incômodos e reflexões das nossas vidas num geral e também a respeito do mercado audiovisual. Falamos também sobre nossas diferenças e coisas em comum. Determinei o maior tempo possível para a roda, mas no fim, pareceu pouco diante de tudo que precisávamos expôr. 

Para a segunda parte acontecer, a primeira foi absolutamente necessária. As participantes já pareciam mais soltas para conversarem entre si e me fazerem questionamentos quando necessário. Neste segundo momento, foi designado um tempo para que todas elas pudessem livremente mexer nos equipamentos  do LAC. Mesmo que não soubessem a função de todos eles ou como montá-los, as participantes usaram a intuição e foram experimentando juntas. Em poucos minutos, o estúdio começou a ganhar vida.

Com todos os equipamentos necessários organizados e ligados, pudemos finalmente comentar sobre suas funções e dar início aos exercícios. Conversamos sobre a utilidade do flash, radio flash, tocha, softbox, lâmpadas de LED, sombrinhas e rebatedores; sobre as definições de luz dura e luz suave, e sobre o uso da luz natural combinada com o flash. Toda teoria foi representada já de forma prática e as participantes se revezaram entre fotógrafas, modelos e assistentes. No fim, decidiram juntas se o resultado lhes agradava.  Apresentei-lhes também referências de outras fotógrafas, como Deana Lawson e Mickalene Thomas.  

Quando optei por me colocar como mediadora do encontro para afastar a comum ideia de hierarquia dentro de uma sala de aula, pensei que deixaria as participantes com a sensação de liberdade. No fim, eu mesma me senti livre por não me obrigar a ter todas as respostas e poder experimentar e aprender junto com todas aquelas mulheres que confiaram que o evento poderia lhes proporcionar algo.